Evocação hippie contra a Guerra do Vietnã

Da Redação | Foto: Marc Riboud | Adaptação web Caroline Svitras

 

Em 21 de outubro de 1967, milhares de manifestantes se reuniram em frente ao Pentágono, em Washington, para protestar contra a Guerra do Vietnã. Na ocasião, o fotógrafo francês Marc Riboud focou uma jovem com uma flor entre as mãos, em frente aos soldados da Guarda Nacional, que mantinham suas armas em punho.

 

Embora pareça simples, a imagem está impregnada de simbolismos. À esquerda, são visíveis as silhuetas de soldados difusos e padronizados, escravos do poder, que se opõem ao perfil claro e colorido da jovem Jan Rose Kasmir, de 17 anos, à direita. De acordo com os princípios hippies da época, em um gesto repleto de paz e amor, ela oferta uma flor, símbolo da fragilidade da vida, a eles.

 

Ao mesmo tempo, seu olhar ainda parece invocar uma oração silenciosa pela paz que, se acolhida, poderia impedir a devastação que a Guerra do Vietnã já impunha. Tida como a mais significativa do movimento Flower Power (força das flores), a foto, que se propagou rapidamente, tornou-se uma Imagem para a História, momento em que também adquiriu um status atemporal, por conseguir transmitir todos os esforços pacifistas tanto dos manifestantes da geração hippie quanto daqueles que vieram depois deles, em relação à Guerra do Vietnã e outras atrocidades posteriores que já foram perpetradas contra a humanidade.

 

 

Revista Leituras da História Ed. 60