Gene ligado à esclerose lateral amiotrófica é descoberto graças ao ‘desafio do gelo’

Gene ligado à esclerose lateral amiotrófica é descoberto graças ao ‘desafio do gelo’

Segundo a ALS Association, que representa pessoas com esclerose lateral amiotrófica (ELA) e outros tipos de doenças do neurônio motor é descoberto. O feito deve-se ao desafio do balde de gelo que, ao viralizar em 2014, arrecadou US$ 115 milhões (mais de R$ 377 milhões), montante que financiou seis projetos de pesquisa e ainda possibilitou a identificação de um novo gene, o NEK1, que contribui para a doença. Como a forma hereditária do problema afeta apenas 10% dos pacientes, 80 pesquisadores que procuravam pelo gene ligado à esclerose lateral amiotrófica em famílias afetadas de 11 países, passaram a acreditar que a genética coopera com uma porcentagem menor de casos e, graças à nova descoberta, já desenvolvem uma terapia para o tratamento da doença. “A análise genética sofisticada que levou a esta descoberta só foi possível por causa do grande número de amostras de ELA disponível”, explicou Lucie Bruijn, da ALS Association.

Revista Leituras da História – Ed. 96