Livro secreto do Exército Brasileiro contém opiniões da instituição sobre o golpe de 64

Da Redação | Foto retirada da revista*

A obra é considerada o livro secreto do Exército Brasileiro e enfoca, sobretudo, a época da Ditadura Militar, dando a versão dos militares sobre a repressão. Trata-se de um compêndio organizado em 1985, que traz a versão de oficiais do antigo Centro de Informações do Exército (CIE), destacando o golpe de 1964 – ou contrarrevolução, como preferem seus autores – e as histórias de combate a grupos esquerdistas durante os anos 60 e 70 no Brasil, opositores ao regime limitar.

ORVIL, LIVRO ao contrário, era o código usado pelos militares para se referir ao projeto que estava sendo escrito desde os anos de chumbo. Com riqueza de detalhes, as páginas descrevem as quatro tentativas de tomada do poder pelos comunistas, que queriam implantar no Brasil um governo totalitário e com suas próprias regras. Em fins de 1987, o texto estava pronto, porém, a obra recebeu a denominação de Tentativas de tomada do poder e foi classificada com o grau de sigilo reservado. Por esse motivo, o ministro do Exército, General Leônidas Pires Gonçalves, não autorizou a sua publicação de imediato, sob a alegação de que a conjuntura política não era oportuna.

 

Sobre os autores: Lício Maciel é engenheiro militar, paraquedista e oficial graduado pela Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), participou do contingente das Forças Armadas que combateu e derrotou a Guerrilha do Araguaia, durante a Ditadura Militar. Já o tenente reformado José Conegundes do Nascimento também atuou na repressão à guerrilha do Araguaia, e foi agraciado com a Medalha do Pacificador com Palma por sua atuação no Centro de Informações (CIE/ADF).

 

*Leituras da História Ed. 100