Como foi a vida no pós-guerra?

Da Redação | Foto: Willy Ronls

Em 1952, ainda em meio à reconstrução das cidades arruinadas pela 2ª Guerra Mundial, o fotógrafo francês Willy Ronis, falecido em 2009, captou uma das imagens mais simbólicas da Cidade Luz, com a qual ilustrou uma reportagem especial, intitulada Paris mais uma vez. Nela, um pequeno garoto corre levando, debaixo do braço, uma baguete maior do que ele. Apesar da beleza da vida cotidiana, a foto também invoca certa melancolia intrínseca ao pós-guerra. No entanto, ao contrário do que muitos pensam, o registro não foi feito de forma espontânea.

 

Segundo o próprio fotógrafo, minutos antes, ele estava em uma padaria e viu o menino na fila, junto à avó, à espera de sua vez. Como o sorriso do pequeno o cativou, pediu a senhora para fotografa-lo e foi atendido prontamente. A partir daí, ele montou a cena por três vezes, até que conseguiu o efeito desejado – fato que não diminui o talento do profissional que, a despeito da artimanha, transmitiu uma visão inesquecível. Curiosamente, depois disso, Ronis nunca mais viu o garoto. Anos depois, quanto publicou a imagem em um livro, graças à madrasta do pequeno que o procurou, soube que ele já havia se transformado em um homem.

 

Revista Leituras da História Ed. 104