Uma das maiores erupções do século XX

Da Redação | Foto: Alberto Garcia / Corbis | Adaptação web Caroline Svitras

Na manhã do dia 15 de abril de 1991, o Monte Pinatubo (situado na ilha de Luzon, nas Filipinas), despertou de seu longo descanso de mais de 600 anos, em uma série de explosões.

Durante todo o dia, enquanto suas pedras e cinzas eram arremessadas a mais de 30 km de altura, fluxos piroclásticos se deslocavam com uma velocidade superior a 70 Km/h, destruindo todas as plantações encontradas pela frente. Ao mesmo tempo, ele liberava cerca de 10 bilhões de toneladas de detritos na atmosfera, montante que baixou os níveis da luz solar e, em consequência, a temperatura global em aproximadamente 0,5 °C.

Após o grito pré-anunciado, no dia seguinte, o vulcão se aquietou. Mas a tragédia ainda se agravou, com a chegada de um ciclone, que provocou a queda de cinza molhada sobre a  edificações restantes, que acabaram por desmoronar.

Calcula-se que, apesar da evacuação da população, houve mais de 800 mortes na ilha, na segunda maior explosão vulcânica do século 20. Embora a destreza dos vulcanólogos tenha poupado milhares de vida, entre todos os registros da tragédia, a foto de Alberto Garcia merece o título de Imagem para a História, por evidenciar que perante a força da natureza, o homem pouco pode fazer, além de fugir para proteger a própria vida.